Arquivo por Autor

h1

The Cranberries de volta ao Brasil

Julho 6, 2010

(Postado por Rogues)

The Cranberries

Não é a banda que eu mais amo de paixão-de-todo-meu-coração, mas, num passado não tão distante, curti muito The Cranberries, seja pelo som melódico, seja pelo tanto que me instigava e ainda instiga quando ouço.

Ouvia aquela vozinha aguda e sensível, que tem uma potência incrível.

Em termos de instrumentistas, sei que deixam a desejar, já que usam de artifícios comuns em compositores e arranjadores coringas (salvem os riffs meia-boca).

Bom, o fato é que fiquei sabendo que todas as vezes que tocam por aqui o show é show, com perdão do trocadilho!

Acho que eles gostam de tocar na nossa terrinha (sei que é porque estão pagando, mas belê), pois dia 14 de outubro deste ano, estarão de volta em Sampa, no Credicard Hall. Os ingressos irão variar  de R$100,00 a R$300,00 e poderão ser adquiridos pelo telefone (11) 4003-5588 e aqui.

Pronto, chega de propaganda. Estou pensando mesmo em ir lá ver “qual é” e ouvir clássicos como  “Zombie”, “Just my imagination” e “Linger”.

Aliás, a primeira vez que ouvi “Zombie” curti muito e foi ao som de uma banda de Poços de Caldas/MG, Betty Boop, na cidade de Ouro Fino/MG, numa festa perdida por lá. Como uma amiga que me sugeriu o post, deixei ela dar pitacos. Ela pediu pra colocar o clipe de “Zombie” por aqui, então, lá vai:

Comentário (Dr. Zappia): Eu fico imaginando a Angélica sonhando em ser convidada ao palco pra cantar a versão dela de “Linger” pqp

h1

Ah, essa menina!

Julho 1, 2010

(Postado por Rogues)

Foi em um dia tranquilo e pacato que um amigo me apresentou as músicas de  Bruna Caram. Nunca tinha ouvido falar antes, mas, digamos, foi “amor musical a primeira ouvida”; alheio aos sons mais roqueiros clássicos que eu geralmente ouço.

Tem a voz demasiadamente forte e com personalidade, o que falta em alguns músicos atuais na minha opinião. Não por menos, vendo alguns vídeos dessa “menina mulher” no youtube, me encantei com seu jeito cênico e suave de embalar as músicas. Ao que parece é uma entusiasta de sons antigos que geraram as músicas de qualidade brasileira.

Fica a dica, então, caríssimos. Quem quiser conhecer, em seu site oficial, pode-se ouvir um pedacinho de cada música de seus dois álbuns. Só clicar aqui.

Ps: Entrei em contato com  a sua produção e, em breve, tentaremos uma entrevista com ela.


h1

Eric Clapton – Autobiografia

Junho 30, 2010

(Postado por Rogues)

Eric Clapton

Tudo bem que dizem que se conselho fosse bom ninguém dava. Mas se eu aconselho alguém a ler algo muito bom relacionado a música, digo pra ler a Autobiografia do Eric Clapton (EC), lançada em 2007 (tem um tempinho, eu sei, mas vai que tem gente sabendo só agora, certo?! Até porque eu mesmo li recentemente).

O livro é bom. EC se mostrou um bom escritor. Sensível, humorado, crítico. Tentou mostrar um pouco do mundo musical inglês e as suas relações com diversos instrumentistas, bandas, artistas, gravadoras, empresários e pubs londrinos.

Como toda boa biografia, EC fala dos seus amores e dissabores.

O que mais achei envolvente foi ver a relação que ele tinha, teve e tem com os Beatles, em especial pelo George Harrison, bem como seus problemas com drogas: ácido, heroína e cocáina.

O livro é uma viagem musical que vale a pena, na minha opinião, só que mais que isso: é uma viagem pela vida de uma pessoa que venceu na vida, arrependeu, caiu e levantou.


É isso aí. Boa leitura pra quem quiser se aventurar.

h1

Ficando velhinho e com ostentação

Junho 29, 2010

(Postado por Rogues)

Ringo Starr irá expor sua bateria folheada a ouro (que ganhou em 1964 de uma fabricante de bateria, Ludwig, na época que apareceu estampando a sua marca) para comemorar seus 70 anos. A exposição será em NY e começará no dia 7 de julho e irá até dezembro. Quer saber mais, clique aqui.

Ringo Starr

Sei lá se esse é o jeito mais legal de se comemorar um aniversário, mas ele deve ter pensado “O que fazer?” e diante das mil coisas que deve ter vindo na sua cabeça, o final foi “Já sei, vou expor minha bateria folheada a ouro, acho que o pessoal vai comentar e gostar e vou ser um ídolo pop.” Não, né?! Ele já é! Ah, não sei o motivo. Taí uma pergunta que eu faria pra ele: WTF?!

Tá, tudo bem que fãs curtem ver pertences de seus ídolos e tal… mas pra mim ainda é fato digno de quem não tem mais o que fazer com a grana que tem.

h1

Em terra brazuca – Lançamento – SKANK

Junho 25, 2010

(Postado por Rogues)

Perdoem-me pelo post imenso. Juro que é o único.

Skank - MTV ao Vivo - gravado em Ouro Preto nos dias 07 e 08 de julho de 2001

Assustei agora quando fui pesquisar a data de gravação em Ouro Preto/MG do cd ao vivo do  Skank: julho de 2001.

Caramba!! Como estou velho. Vou contar parte da minha experiência com o SKANK (a banda, mentes maldosas).

Estava numa viagem maluca pra Ouro Preto, junto com um amigo e parceiro de todas as horas, entrando em um ônibus, completamente sem rumo e disposto ir até onde o dinheiro desse, uns R$ 500,00. Escolhemos aleatoriamente uma cidade e Pimba!: Ouro Preto foi nosso destino.

Festival de rock, cidade lotada, bêbados aos montes; tudo que um adolescente roqueiro (eu não bebia na época) queria. Juro, nunca vi tanta gente se esbarrando (e olha que o show em Copacabana dos Stones foi dose). Um detalhe que me chamou atenção, é que a maioria das pessoas não sabiam que naquele sábado e domingo teria gravação do MTV ao VIVO do Skank.

Logo percebi que o Skank foi espertinho, pois aproveitaram a  data (sabiam que ali estaria lotado, independente de quem tocasse) e  sairíam bem na foto capa do CD, como de fato foi.

Observações a parte, o show foi bom, mas foi cansativo. Dois dias de gravação: começava as 14h e entrava noite a fora. Gravações sendo interrompidas para ajuste, foi massa ver a coleção de Gibson do Samuel e algumas donzelas perdidas no show. O helicóptero da MTV passava e jogava as letras novas na multidão para que a moçada cantasse os hits.

Foi um bom passeio, aliado a uma pensão horrível de R$10,00 a diária com banho e café da manhã. Algumas festas em repúblicas que tinham bandas dentro dos quartos, onde descobri que sou alérgico a catuaba. Urgh. É sério, eu fico empelotado.

Bom, essa é minha história na gravação de cd ao vivo com o Skank.

Vamos a notícia!

Samuel Rosa - Skank

Fiquei sabendo aê, que a banda mineira está preparando pela MultiShow,  em um show que fizeram em BH, no mineirão,  a gravação de CD e DVD ao vivo.

Como já falei muito hoje, quem quiser conferir tudo sobre o que rolou é só clicar aqui.

É isso aí! E como dizia o saudoso Samuel Rosa em ritmo de copa do mundo: ô ôôôô.

h1

Notícia curta e grossa

Junho 24, 2010

(Postado por Rogues)

Da série: “Curto e grosso: não chega no fundo mas arrebenta com as beiras”.

Guitarrista do Led Zeppelin está na mangueira

Alguém quer ver?! É sério! Cliquem na notícia aê pra vocês verem!

h1

A música e José Saramago

Junho 24, 2010

(Postado por Rogues)

O leitor pode estar se perguntando sobre a possível relação existente entre Saramago e a música. Sim, caríssimos, ela existe.

Um bom compositor musical consegue transcender qualquer relação física e atinge o ápice da sensibilidade, crítica e emoção. Não diferente acontece com as composições literárias do saudoso Saramago, que nos deixou dia desses.

Atentos, alguns cantores ousaram em misturar Saramago e música. Tudo bem que não sou um apaixonado pelo Fado Português (até acho breguinha), mas esses cantores merecem uma ponta de atenção, pois embalaram em canções as palavras do gênio português.

São eles: Mísia, Manuel Freire e Pedro Barroso.

Mísia, Pedro Barroso e Manuel Freire

Mísia cantou ‘Nehuma Estrela Caíu’ em 1998, precisamente no ano em que Saramago conquistou o Prémio Nobel da Literatura.

Manuel Freire cantou a poesia de Saramago contida na obra ‘Os Poemas Possíveis’, lançado em 1966 pela Portugália Editora.

Pedro Barroso extraíu ‘Afrodite’, que cantou e incluiu no álbum ‘Água Mole em Pedra Dura’, lançado em 1978


Rage Against the Machine

Não por menos, saindo da rasgação melancólica dos Fados, de homenagem por homenagem, fico com a turma do Rage Against the Machine, que no ano de 2008, no Festival Optimus Alive!, dedicou a música ‘Freedom’ ao escritor português.